A Crediacisc – cooperativa de crédito de São Carlos associada ao Sicoob – encerrou sua participação na segunda etapa do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe) pulverizando os recursos entre um maior número de empreendedores locais.

Lançado em julho pelo governo federal, o Pronampe apresentou taxa de juros de 1,25% ao ano mais taxa Selic e prazo de 36 meses para pagamento, sendo 8 de carência. No entanto, os recursos disponíveis para cada cooperativa foram limitados à participação de cada central do sistema cooperativo brasileiro.

Dada a característica da Crediacisc em atender micros e pequenos empreendedores de São Carlos, foram realizadas operações de crédito entre R$ 10 e R$ 100 mil. A finalidade foi desconcentrar os empréstimos e beneficiar os setores que precisam de apoio para manter suas atividades, empregos e geração de renda durante o período mais grave no enfrentamento da pandemia.

A maior parte dos cooperados da Crediacisc é oriunda do setor de serviços. O foco da Crediacisc se concentrou neste segmento. “O Pronampe foi uma boa oportunidade para empréstimos. Mesmo aqueles que não conseguiram se enquadrar têm opções muito interessantes na cooperativa”, explica Adão Luís Garcia, gerente da Crediacisc.

Para aqueles cooperados que não conseguiram acesso ao Pronampe, a orientação é entrarem com o pedido de financiamento com apoio da Associação Garantidora de Crédito Paulista (AGCP), que possibilita redução significativa de taxas de juros para contratos até R$ 100 mil.

“Para valores baixos, o custo total não é muito diferente do Pronampe, pois, com maior garantia nós reduzimos drasticamente o spread nessas operações avaliadas pela AGCP”, detalha Garcia. Com as operações de socorro às micro e pequenas empresas cooperadas à Crediacisc, a carteira de crédito cresceu em 50% nos primeiros meses de 2020.

“A nossa atuação conjunta com a Associação Comercial, o Centro das Indústrias e outros parceiros estratégicos contribuiu para que um maior número de pequenos negócios sobrevivesse aos piores momentos da pandemia”, avalia Lídia Maria Mendes Lima, presidente do Conselho de Administração da Crediacisc.

Acompanhe também a Crediacisc: /crediacisc | @crediacisc